15
Nov 11

Olá leitores! Sabe, eu estava conversando com minha prima noite passada sobre o que eu falaria na resenha desta semana e então depois de um tempo e vendo o episódio pela quarta vez pensei: Becky. Porque não começar por ela?

 

Pois bem, eis que essa mocinha é – mesmo com alguns defeitos – a FanGirl mais bem sucedida de toda as FanGirls do mundo! Eu imagino que nem precise de fato explicar pra vocês o porque, não é?

Season 7, Time for Wedding não teve aqueles traços perfeitamente elogiáveis, nem um script forte. Foi café-com-leite.

 

A verdade é que: Sam e Dean estão bem, e quando eles estão bem Supernatural perde um pouco a adrenalina dramática. Então muito sabiamente Edlund e Gamble introduziram num episódio meia-boca alguém que certamente Governa a noite com suas aparições. Quem? Vocês sabem bem a resposta. Crowley.

Há quanto tempo não vemos acordos e almas vendidas em Supernatural, uh?

E há quanto tempo Crowley não nos lembra disso? Oh for Merlin’s sake, eu quase tinha esquecido do Rei das Encruzilhadas! E toda sua miraculosa classe desde antes do cargo de Governador do Submundo. Minha percepção sobre Crowley é que enquanto ele permanecer, o show vai ter algo forte o suficiente pra continuar. Porque ele representa toda a era apocalíptica e trás lembranças de Castiel. Crowley é como tudo que restou daquele último ciclo.

Devo admitir que foi uma carta tirada da manga. Golpe de mestre.

E tal feito tem o toque inevitável de Ben Edlund. Em linguagem popular, isso é a cara dele.

E por outro lado, a conversa final entre Sam e Dean, encostados á aquele carro azul desbotado, me fez em primeiro lugar sentir falta do Impala e em segundo lugar, Sam confirmou o que eu havia argumentado na review anterior, ele precisa de Dean. E sempre vai precisar. Existe um sussurro no pé de seu ouvido dizendo-lhe isso todos os dias.

E isso, tem dedo e cara de Sera Gamble.

 

DJ Qualls esteve fantástico, o pequeno demônio que dava as poções pra Becky foi notável, e a interpretação de Mark Sheppard acompanhada daquela barba esteve de tirar o folêgo. Haha Mas acho que a expressão de Jensen na última cena antes de entrar no carro arrancou toda pele para longe do meu corpo.

E esse é o porquê de preferir pessoas á desenhos. As coisas tornam-se vívidas. Reais.

E por mais que não tenhamos mais episódios super produzidos um atrás do outro, existem coisas que ainda conseguem capturar a atenção e confiar que não acabou.

"Nothing really ends, does it?" – Chuck.

 

Até o próximo! 7.09 - “How To Win Friends and Influence Monsters”. Acho que veremos uma mistura de homens com zumbis nesse episódio. Hello Wendigo! Haha Kidding.

Continuem comentando, obrigada!

 

Por Érika Accioly

publicado por Erika Accioly às 23:32

comentário:
Obrigada Daniela.
Zac Efron Fan | Zac-EfronFan.org a 16 de Novembro de 2011 às 14:36